quinta-feira, maio 17, 2007

Rocky Balboa (2006)


Há alguns meses, fiz uma resenha sobre a série Rocky. Eu já sabia que um sexto filme do Rocky estava por vir, mas, mesmo assim, como o filme ainda não havia sido lançado, não sabia o que esperar.

Quando assisti o trailer pela primeira vez, senti um misto de expectativa e apreensão: expectativa, pois não posso esconder que sou fã deste personagem desengonçado; apreensão, pois sempre que surge uma seqüência, o fã teme que estraguem tudo que já foi feito. Basta se lembrar de "Matrix": o primeiro filme é excepcional, mas as duas seqüências são tão ruins que nos fazem detestar até o que era bom.

Tudo bem... Assisti a "Rocky Balboa", o sexto da série, com mente aberta e disposto a detoná-lo se fosse o caso. Mas felizmente não me decepcionei.

Rocky (Sylvester Stallone) já está caindo aos pedaços. É um homem que vive do passado, do tempo em que era idolatrado, que estava no auge da forma, em que a esposa ainda vivia (sim, a Adrian morreu!), em que o filho lhe dava valor. Ele abriu um restaurante italiano, mora sozinho numa pocilga e revive, todo ano, os lugares no qual costumava ir com Adrian. Simplesmente, uma figura deprimente.

No entanto, na TV, especialistas discutem a carreira do atual campeão dos peso-pesados, Mason Dixon, uma máquina de matar, mas sem carisma algum. Então, realizam uma simulação computadorizada duma luta entre um Rocky em plena forma e Mason Dixon. A conclusão é a de que Rocky ganharia.

Isto leva Rocky a querer a voltar a lutar. Porém, o que ele não espera é que os empresários de Dixon lêem a manchete sobre a volta de Rocky e sugerem uma luta entre os dois. Rocky sabe que não tem chance alguma, mas mesmo assim, dá a cara a tapa; afinal de contas, é o que ele mais sabe fazer.

O filme é emocionante. Há algo em Rocky de extremamente humano e, quando ele aconselha seu filho de que, na vida, o que importa é agüentar a surra que elas nos dá, ele não fala a apenas Rocky Jr., ele ensina a todos nós.

O que mais surpreende é a unidade que a série manteve em todos estes anos. Por mais que lembre muito o primeiro filme, com treinamento surrando pedaços de carne, correndo por Filadélfia, lutas na qual ninguém se protege dos socos, "Rocky Balboa" é um ótimo desfecho para o personagem.

Se é que é o desfecho...

Um comentário:

Natália disse...

olá.

vi seus links em uma comunidade no orkut e vim dar uma bisbilhotada.

gostei desse espaço!
eu adoro filmes e sempre estou atrás de boas dicas. Acho q aqui as encontrarei.