quinta-feira, março 01, 2007

Vôo United 93 (2006)



É difícil saber se alguém que não está acostumado com a rotina dos aeroportos, com os atrasos, com as turbulências, com as panes em aviões, com aeroportos fechados, com o temor ao assistir uma notícia na TV sobre a queda de um avião, recebe este filme do mesmo modo com quem faz desta via crucis sua vida.
Eu, como marido de comissária de bordo, posso dizer, por experiência própria, que o filme "Vôo United 93" é angustiante, em todos os sentidos. O enredo não aborda nenhum dos três vôos que, pelo hábil plano e execução de terroristas, atingiram seus alvos - o World Trade Center e o Pentágono. O vôo 93 da United caiu antes, derrubado pelos próprios passageiros.
A edição é fenomenal, partindo dos primeiros instantes, quando a tripulação e os passageiros embarcam, até os momentos estarrecedores, quando o primeiro avião é sequestrado e pilotado em direção às Torres Gêmeas. Poucos filmes de ficção, nem com cobras, psicopatas, fendas temporais, turbulências, conseguem nos prender tanto quanto a tensão que a vida real, retratada nos mínimos detalhes e com uma precisão assustadora, possui. Só o fato de sabermos que aquilo aconteceu de fato já é suficiente para nos deixar de cabelos em pé, atemorizados com a crueldade humana, ao mesmo tempo em que empolgados com um último ato de valentia.
Se os passageiros do United 93 já se tornaram heróis por evitarem que o avião fosse derrubado sobre a Casa Branca ou o Capitólio, imaginem se eles houvessem conseguido subjugar os terroristas e pousado aquele avião!
O realismo do filme também nos faz questionarmos os limites entre realidade e ficção. O filme é tão minucioso que não sabemos se se trata de uma reconstituição dos eventos do dia 11 de setembro ou se é uma ficção, inspirada em fatos reais. "Vôo United 93" é um documentário ou ficção?
Claro que a pergunta é ridícula, pois o filme possui atores, um cenário construído, tudo nele é uma símile da realidade, não a própria realidade. Mas o que nos faz crer que seja real não passa a ser real por isto?
O filme era peixe pequeno diante de seus concorrentes no Oscar; o diretor Paul Greengrass não está à altura de Scorcese ou Clint Eastwood, mas sua obra é magistral. Ela atinge seu objetivo com uma pontaria certeira, assombra-nos, aterroriza-nos, prende-nos na cadeira, faz-nos torcer, mesmo sabendo do fim inevitável.
O medo, a preocupação que temos por aqueles que amamos é algo que transcende aviões e aeroportos e, talvez por isto, a mensagem de "Vôo United 93" seja para todos. Valorize hoje a pessoa que você ama! Esta frase, que bem poderia estar num livro do Paulo Coelho, é o mais importante que se pode extrair deste filme, pois as lições de sofrimento dos outros deveria ser um estímulo para que sejamos felizes hoje.

2 comentários:

bruna disse...

Acabei de assistir o Filme "Vôo United 93", corri para internet e li sua crítica. Concordo com o que você disse, realmente o filme nos deixa preso completamente e mesmo nós sabendo do fim trágico e como você mesmo o definiu, lamentável, ficamos na torcida por todas aquelas pessoas que lutaram por suas vidas. É comovente a hora em que eles ligam para as famílias dizendo que os amam. Aí você imagina a dor e o sofrimento daquelas pessoas ,que por temerem e terem certeza de sua morte, sentem ao saberem que não poderiam mais dar um abraço e dizer pessoalmente EU TE AMO. VALORIZE HOJE A PESSOA QUE VOCÊ AMA!
Uma perfeita frase realmente para deixar como conclusão do filme, e que se direciona a todos nós.

Rafaela disse...

Não espere a vida passar, a morte chegar para dizer Eu te amo para seus pais, irmãos, amigos... A vida passa tão depressa pode não dar tempo de vc se despedir!!! Valorize as qualidades e não os defeitos !!!! Jesus ficará feliz com vc !!! PAZ!!!!!!!!!!!!!