quinta-feira, abril 07, 2005

Procurando Nemo (2003)



Marlin é um peixe-palhaço e pai de Nemo. Após a morte de sua esposa, vítima da cadeia-alimentar, Marlin converteu-se num pai super-protetor e, consequentemente, castrador.
No entanto, quando Nemo é capturado por mergulhadores, Marlin se vê obrigado a deixar a proteção dos recifes e aventurar-se numa perigosa jornada para recuperar seu filho.
Esta fábula é uma belíssima história de superação individual e de afeto. Tanto pai e filho são forçados a transpor seus próprios limites: Nemo, por possuir uma deficiência física (uma nadadeira menor do que a outra) e Marlin, por seu medo de viver novas experiências.
Além disto, o filme escrito e dirigido por Andrew Stanton é uma inversão dos esteótipos comuns neste tipo de apólogo. Os tubarões, comumente relacionados a antagonistas, fazem parte de uma sociedade de reabilitação alimentar cujo lema é: "Peixes são amigos, não comida", enquanto que os humanos, geralmente associados à racionalidade e aos princípios morais, são os verdadeiros predadores da natureza. São eles que invadem os ecossistemas ao quais não pertencem, subtraem deles elementos com o argumento de estarem auxiliando e os recolocam em ambientes artificiais.
Apesar da projeção de ambições e comportamentos humanos, realmente é possível se questionar em até que ponto que retirar um animal de seu habitat e tentar domesticá-lo é um ato louvável. A representação dos humanos em "Procurando Nemo" é apenas um exemplo de como a nossa consciência ambiental ainda é subdesenvolvida.
Por fim, esta produção premiada com o Oscar de Melhor Filme de Animação traz a impagável Dory, um peixe (fêmea) que possui um sério distúrbio de memória. Uma das personagens mais engraçadas que já vi e creio que sempre rirei com sua maravilhosa habilidade poliglota de conversar com as baleias.
Um filmes com belíssimas lições de vida, porém sem ser moralista; diversão para toda a família.

2 comentários:

Anônimo disse...

Realmente estava faltando sua opnião sobre este filme. Gostei muito, o vi quando saiu no cinema, já o vi outras vezes também. A Dori é mesmo inesquecivel mas você se esqueceu de comentar (ou não te chamou muito atençao) das TARTARUGAS com aquela giria de surfista! Nossa.. muito engraçado.
Bom, é isso. Até breve
Aline Souza
Nini
www.simplesmentelouca.blig.com.br

Henry Alfred disse...

Realmente, Aline, eu me esqueci de comentar sobre as tartarugas, porém, seria um comentário negativo, já que não sei se foi somente a minha impressão, mas elas me pareciam ser um bando de maconheiras, desde a gíria até o comportamento.
Geralmente, as animações acabam trazendo elementos do mundo adulto que não são compreensíveis para as crianças, e não sei em até que ponto isto contribui para a história. Há um fenômeno semelhante em "Espanta Tubarões", o qual, ao contrário de "Procurando Nemo", é complemamente fundado neste tipo de relações com o universo adulto.