quinta-feira, dezembro 23, 2004

Toda Nudez Será Castigada (1973)




"- Herculano, aqui quem fala é uma morta!"

Eis a primeira fala do filme dirigido por Arnaldo Jabor, inspirada na peça homônima de Nelson Rodrigues intitulada "Toda Nudez Será Castigada".

A trama é complexa e repleta de reviravoltas. Herculano é um viúvo que, para deixar a tristeza causado pelo falecimento da esposa, é estimulado por seu irmão a procurar uma prostituta chamada Geni. Puritano, Herculano, à princípio, rechaça a idéia, mas logo cai nos braços da meretriz.

Contudo, Herculano havia prometido a seu filho, Serginho, que jamais se deitaria com outra mulher. Ao descobrir que seu pai violara o juramento, Serginho se revolta e a família de Herculano se desestrutura.

As críticas de Nelson Rodrigues são explícitas: a família tradicional que esconde debaixo do tapete sua podridão, uma classe social decadente que vive da memória do passado, o puritanismo hipócrita, a dualidade entre santidade e pecado.

"Toda Nudez Será Castigada" é aquele tipo de filme que causa uma certa repulsa inicial, derivada, principalmente, pelas terríveis produções cinematográficas brasileiras das décadas de 70 e 80, mas logo esta produção mostra a que veio. Ao contrário do cinema da "Boca do Lixo" e da pornô-chanchada, o filme de Jabor, apesar de um áudio terrível e das imagens desgastadas, possui uma história riquíssima e bem construída, graças, em grande parte, ao excelente dramaturgo que foi Nelson Rodrigues.

É um filme que cativa por sua história, por sua psicologia e por algumas surpresas. Vale a pena conferir e redescobrir o bom cinema brasileiro de outrora.

2 comentários:

Júlio disse...

Concordo com sua crítica.
Embora na época em que foi rodado o filme era fácil separar joio de trigo.

Anônimo disse...

Acho que você se prendeu na história e analisou pouco.