quarta-feira, dezembro 01, 2004

Em Nome de Deus (2002)




É para o convento das Irmãs Madalenas que são enviadas as meninas consideradas promíscuas. Baseado numa rígida e autoritária disciplina, as reclusas são obrigadas a fazer trabalhos forçados, a aceitar punições corporais e humilhações. Neste ambiente, três moças irlandesas, Bridget, Bernadette e Patricia, buscam razões e forças para sobreviverem. Baseado em fatos reais, "Em Nome de Deus" é um retrato comovente de uma sociedade regida sob uma deturpada visão católica, na qual há uma condencendência para com os homens, por eles estarem sempre sujeitos às tentações, enquanto que impera a intolerância em relação ao comportamento feminino. Além de abordar outras questões ainda mais tabuísticas e complexas como a crueldade e o materialismo das madres, a violação dos votos de castidade dos padres, a indiferença das família e o tênue limiar entre formação humana e corrupção.
"Em Nome de Deus" é um belo filme erigido sobre uma terrível situação social, que vigorou até meados dos anos 90.
Uma história cativante ao mesmo tempo que repulsiva, digna do peculiar cinema irlandês.

Um comentário:

Júlio disse...

Peter Mullan sempre me chama atenção ao cinema irlandês.
A relação entre a 'penitência voluntária por amor a Deus' e a 'tortura pelo amor ao totalitarismo' ficou perfeita.
Além de que, Eileen Walsh no papel de Crispina conseguiu atingir o caração do mais fanático dos fanáticos pela igreja.

Um filme de críticas necessárias.