segunda-feira, agosto 16, 2004

"O Senhor das Moscas" de William Golding


Um livro assustador.
Escrito durante os primórdios da Guerra Fria e publicado em 1952, "O Senhor das Moscas" traz muito daquele desamparo do pós-guerra, pois a história começa com a queda de um avião que havia deixado a Inglaterra após um bombardeio nuclear. Deste acidente, apenas um grupo de crianças sobrevive e, para serem resgatadas, elas estabelecem uma frágil sociedade "democrática". Entretanto, a luta pela liderança divide esta comunidade e instaura um violento conflito entre as crianças.
Esta obra de Golding pode ser interpretada sob várias perspectivas. Como uma analogia da luta entre a democracia, na qual todos podem ter voz, mas que, por outro lado, as decisões são arrastadas e controversas, e a ditadura, na qual um tirano estabelece um sistema hierárquico baseado na punição e no medo.
Entretanto, há uma mensagem mais profunda em "O Senhor das Moscas", já que ela pode representar os conflitos dentro da própria "psiqué" humana. Ralph é a consciência, porque todos seus esforços são o de manter clareza em sua fala e ações e de agir da maneira mais correta para serem resgatados; Porquinho é a racionalidade; Jack, os instintos animalescos e primitivos; Simon, a contemplação e intuição. No fundo, Golding afirma que estas contradições não existem somente no interior de uma sociedade, cujo resultado extremo é a guerra, mas também no interior de um próprio indivíduo.

Vale a pena conferir, também, a versão cinematográfica de "O Senhor das Moscas", já que esta adaptação não fca devendo nem um pouco à obra original. É claro que devemos resguardar as devidas proporções, pois o livro favorece uma exploração da atividade mental das personagens, enquanto que o cinema procura meios alternativos para expressar isto.
Uma obra formalmente simples, mas conceitualmente avassaladora. E terrivelmente atual.

6 comentários:

Denise disse...

Te amo!!!!

Cleu Randall disse...

Oies....eu jah li um livro parecido com este, se chama A Bicicleta azul...não me lembro o nome do autor, mais adorei o livro..
Bjus...dá uma passada no meu blog

Erika disse...

Achei seu blog por meio do cade hehehe
Bom eu achei este livro muito interessante, tomei conhecimento dele através de meu professor de política que pediu para q eu fizesse uma análise crítica da obra, mas voltada para a visão política, acho muito interessante como Golding trabalha vários aspectos da política e também das personalidades que temos em cada um de nós...
Bom sobre o filme eu ainda vou ver se consigo encontrar eheh mas é uma boa dica :D

Anônimo disse...

Aprendi muito

tássia disse...

A história é realmente muito interessante!

Wagon disse...

Um relato fictício de um grupo de crianças presas em uma ilha após um acidente... Golding utilizou essa história como uma parábola moderna sobre o mal inerente nos seres humanos. O que tornou a narrativa tão poderosa foi que usou crianças supostatamente a essência da inocência, p/ mostrar seu conseito de como a humanidade, no seu coração, é corrúpta, perversa, egoísta e violenta.

Um romance na verdade reescrito em palavras diferente das do próprio "DEUS":

Gênises 6:5 Viu o Senhor que era grande a maldade do homem na terra, e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era má continuamente.

Jeremias 17:5 Assim diz o Senhor: Maldito o varão que confia no homem, e faz da carne o seu braço, e aparta o seu coração do Senhor!

25 e não necessitava de que alguém lhe desse testemunho do homem, pois bem sabia o que havia no homem.

Na História e na mídia vemos o que o homem se tornou... Mas há uma esperança, uma única esperança "Jesus", procure uma igreja Adventista do Sétimo Dia e receba um estudo bíblico inteiramente grátis...