domingo, agosto 08, 2004

A mãe de todas as críticas

Quando esta invasão de blogs se iniciou, eu a observei com desconfiança e com até uma certa relutância. Realmente, eu não via muito sentido em centenas de milhares de diários pessoais sendo publicados pela internet.

Mas o tempo passou... Não me tornei um assíduo leitor de blogs, mas reconheci que, em alguns, havia algo de bom. No fundo, uma necessidade de compartilhar pensamentos, inquietações, anseios e confidências estava por detrás desta revolução virtual. Mais do que isto, havia uma necessidade, por parte dos leitores também, de penetrar em mundos tão diferentes, mesmo que não fossem tão distintos assim.

O meu tempo de silêncio se foi. Motivado pela mesma necessidade de muitos, exporei aqui sobre aquilo que mais sei (ou ao menos que penso saber): Arte.

No entanto, falar sobre Arte, requer que falemos também do que não é arte, ou daquilo que o é por extensão, ou daquilo que não era, mas que acabou se tornando.

Sinto-me como Brás Cubas, no início de suas "Memórias Póstumas". Gostaria de crer que muitos lerão o que tenho a dizer, mas me surpreenderia se mais de cinco leitores acompanhassem estas críticas "difusas".

Um comentário:

Denise disse...

Acompanharei todos seus posts assim como você acompanha os meus. Adorei seu blog.
Beijos,
Denise